Prova de Fogo II - Daniel 3.21-30

Tema: Prova de fogo II Texto: Daniel 3.21-30 Pregador: Rev. Jeferson Batista Neres

“A fé e a provação de fogo”

Nessa noite trataremos de mais algumas verdades na progressão narrativa da prova de fogo. O primeiro ponto da progressão narrativa é:
1ª) HOMENS NA FORNALHA – Vs. 21-23 Qualquer morte não satisfaria o rei irado, então, mandou que os três jovens não conformistas fossem lançados na fornalha ardente. Nabucodonosor desfiou a Deus. Mandou aquecer a fornalha sete vezes mais, Vs. 19. Mandou atar os servos de Deus antes de jogá-los no fogo, Vs. 20. Contudo, num primeiro momento, o fogo não queimou aos jovens crentes, mas aos seus algozes. Quando os santos se recusam a pecar, não há limites à fúria dos ímpios. Aqueles que dizem estar preparados para entrar na fornalha, por amor ao Senhor, devem ser alertados de que a fornalha pode ser consideravelmente mais quente do que podem imaginar. APLICAÇÃO: Spurgeon, o príncipe dos pregadores disse: o nosso dever é praticar aquilo que é correto, as consequências pertencem a Deus. É para você e eu fazermos o correto, ainda que os céus caiam, precisamos seguir a ordem de Cristo, apesar das consequências. Outro ponto da progressão narrativa do capítulo terceiro de Daniel é:
2ª) HOMENS PRESERVADOS NA FORNALHA – Vs. 24-25 Deus preservou aos homens na fornalha. Deus não impediu a fabricação da imagem, não impediu que Nabucodonosor acendesse a fornalha, não impediu a divulgação do decreto, não impediu que os três jovens fossem acusados, não os livrou da fúria do rei e nem mesmo da fornalha. Deus não impediu que eles fossem atados e jogados na fornalha acesa e aquecida sete vezes mais, mas preservou-os na fornalha. Nabucodonosor viu algo na fornalha que o fez saltar do trono. Quantos homens foram lançados na fornalha? Perguntou o rei. Três, responderam; em qual condição? Arguiu o embasbacado rei. Atados. Eu, porém, vejo quatro homens soltos, que andam passeando dentro do fogo, sem nenhum dano; e o aspecto do quarto é semelhante a um filho dos deuses, Vs. 25. Os três homens santos caminhavam por sobre os carvões abrasantes, no fogo e nas chamas. Os guardas foram mortos simplesmente com o vapor, enquanto quer o fogo que o fogo não exerceu efeito algum sobre os santos servos de Deus. APLICAÇÃO: Deus nem sempre evita que passemos por aflições, mas sempre nos preserva. Não há sofrimento maior do que as consolações que veem de Deus. Em meio às provações tendemos focar nossa atenção nelas e não no nosso Deus. Porém, para encarar a prova de fogo com coragem e convicção de vitória, em nenhum momento podemos desconfiar do poder de Deus. Além da grande festa e dos três desobedientes, outro ponto da progressão narrativa é:
3ª) HOMENS LIBERTOS DA FORNALHA – Vs. 26-27 Não há fornalha ardente que possa destruir o povo de Deus. O quarto homem sempre vem ao nosso encontro. Deus transformou um instrumento de morte em instrumento de livramento, Vs. 25 e 27. O fogo os libertou das amarras e, Deus os libertou do fogo. O fogo somente queimou as cordas que os prendiam. Eles foram atados e jogados ao fogo, mas eles não forma tirados do fogo. Deus não nos livra dos problemas, mas nos livra nos problemas. Deus livrou aqueles homens na fornalha. A pedido de Nabucodonosor, os três saíram da fornalha, sem ter sequer um fio de cabelo chamuscado! Nem suas roupas foram afetadas, nem mesmo havia cheiro de fumaça. Em última instância Sadraque, Mesaque e Abede-Nego foram resgatados, não por meios terrenos, mas pelo maravilhoso e insólito poder de Deus. Eles viveram a promessa de Isaías 43.2: Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem chama arderá em ti. APLICAÇÃO: Se aqueles jovens tivessem tentando salvar suas próprias vidas, verdadeiramente as teriam perdido. A vida seria uma existência sem sentido e sem comunhão. Mas, dispondo-se a perder suas vidas, de fato as encontraram. Ninguém perde por recusar a pecar, apesar de tudo que se diga ao contrário. Segundo João Calvino: nada é mais seguro do que tomar a Deus como guardião e defensor das nossas vidas. Sempre que for oportuno, Deus usará o seu poder e nos salvará.
4ª) DEUS GLORIFICADO – Vs. 28-30 O rei tremeu muito diante do milagre. Deus geralmente força os ímpios a reconhecerem o seu poder. Ainda quando estarrecidos e endurecidos em todos os seus sentidos, contudo, querendo ou não, são forçados a sentir o poder de Deus. O mesmo rei que ficou com o rosto transtornado de ira contra eles, agora os chamou reverentemente de servos do Altíssimo, Vs. 26. O mesmo rei que pensou que nenhum Deus poderia livrar os jovens de suas mãos, agora está bendizendo a Deus e reconhecendo que não há Deus que possa livrar como Yahweh. Segundo João Calvino, um dos principais reformadores do século 16: Nabucodonosor nunca reconhecera sinceramente o Deus de Israel, senão que se vira forçado a confessar, em obediência a um impulso repentino, que Ele era o único e supremo Deus, vivendo sempre mergulhado em suas próprias superstições. A confissão foi de um homem estupefato; não procedeu de uma genuína confissão do coração. Isso é tão verdadeiro que Nabucodonosor exalta o Deus de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego e não o exalta como o seu Deus, Vs. 28. Nabucodonosor havia recebido uma impressão tão forte de Deus que mandou baixar um edito de que todo aquele que falasse mal do Deus de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego deveria ser morto. APLICAÇÃO: Deus consola extraordinariamente aqueles seus filhos que se recusam a desonra-lo. Ao final daquele dia inesquecível, todos conversavam sobre o Deus de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego. Não houve mais qualquer menção a horrenda imagem. Quando saímos da fornalha, saímos mais fortes e mais próximos de Deus.  CONCLUSÃO: “Prova de fogo” Essas são algumas verdades extraídas da progressão narrativa da prova de fogo:
1ª) HOMENS NA FORNALHA. 2ª) HOMENS PRESERVADOS NA FORNALHA. 3ª) HOMENS LIBERTOS DA FORNALHA. 4ª) DEUS GLORIFICADO.
DESAFIO:
Ou ficamos fora da fornalha com Nabucodonosor, ou dentro dela, com Cristo. Não há meio termo. Mas o lugar de calor irresistível é também o lugar de comunhão intensa com o Salvador. Aqueles que andam entre as chamas também gozam a certeza de que estão fazendo uma marca indelével, a respeito de Deus, sobre as consciências dos não conversos. Portanto, com a ajuda de Deus superaremos qualquer fornalha que eventualmente sejamos lançados. Lançados, preservados, libertos da fornalha e glorificando a Deus. Amém.
Sermão pregado no Culto da Segunda Igreja Presbiteriana de Taguatinga em 07 de julho de 2013.